Publicidade

Publicidade
IPTU 2017

domingo, 20 de agosto de 2017

SINDSAUDE ao lado dos trabalhadores garante diálogo e pagamento de salários atrasados do Instituto GERIR

Dirigentes e Trabalhadores Associados ao SINDSAUDE:
unidos para garantir direitos
A Direção do Sindicato dos Técnicos e Auxiliares de Enfermagem do e Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde do Estado do Maranhão ao lado dos trabalhadores não tem medido esforços para garantir a dignidade e os direitos da categoria. 

Dessa vez garantiu junto ao Governo do Estado que os profissionais do Hospital Carlos Macieira vinculados ao Instituto GERIR recebessem o pagamento das diferenças salariais decorrentes da Convenção Coletiva de Trabalho 2017 celebrada em fevereiro, mês da Data Base da categoria.


SINDSAUDE na luta em defesa de Direitos
De acordo com Dulce Sarmento, Presidente do SINDSAUDE: "O pagamento foi creditado na conta dos trabalhadores na última sexta-feira (18/08). Isso é fruto do diálogo estabelecido entre o Sindicato (com a participação de vários trabalhadores ) e representantes do setor jurídico da Secretaria Estadual de Saúde - SES.". 

Com o pagamento integral das diferenças salariais, os salários do mês de agosto que deverão ser pagos até o 5° dia útil do mês de setembro "já estarão atualizados conforme o realinhamento dos pisos  e aplicação do percentual de reajuste para os salários cujos valores sejam superiores aos previstos no instrumento normativo da categoria.", foi o que destacou Lucimary Santos, Vice Presidente do SINDSAUDE.  

Artigo de Flávio Dino: 'Basta comparar'

Governador Flávio Dino
Para avaliar um governo, é necessário compará-lo com o que outros fizeram e levar em conta a conjuntura econômica de cada um. É necessário, também, avaliar a direção estabelecida, as prioridades eleitas e a forma de governar. 

Com essas métricas, ao fazer as comparações entre nossa gestão e os mandatos da oligarquia, vamos encontrar resultados sempre melhores a favor da nossa equipe. Todos os números mostram que, em dois anos e meio, ultrapassamos patamares que em décadas eles não conseguiram alcançar.

O Maranhão que recebi era o estado das rebeliões em Pedrinhas, das cabeças cortadas em cadeia nacional e dos toques de recolher, todos os meses, na cidade de São Luís. 


Nos governos deles, o Maranhão era território livre para assaltantes de bancos, crimes que geravam intranquilidade nas cidades, enquanto que hoje temos raras ocorrências. 

Antes, as pessoas dirigiam bêbadas sem serem fiscalizadas, porque não havia barreiras policiais; atualmente, a polícia faz operações para diminuir mortes no trânsito, com grande êxito.

Isso são resultados dos nossos investimentos em segurança, com nomeação de novos policiais, chegando à maior tropa que o Maranhão já teve em sua história: 12 mil profissionais. Um crescimento de 27% de efetivo em relação a 2014, apesar da enorme crise econômica. E vem concurso aí.

Em 2015, recebemos uma série de hospitais de fachada, que nunca chegaram a funcionar com resolutividade, apenas no papel dos convênios e nos “fundos a fundos” misteriosos. 

Agora, estamos erguendo uma verdadeira rede integrada de saúde com os cinco hospitais macrorregionais já em funcionamento e outros dois que serão entregues ainda este ano. Fora dezenas de conquistas como Rede Ninar, UTI materna, ampliação da radioterapia, Força Estadual de Saúde, entre outras.

Na educação, estamos implantando o maior programa educacional da história de nosso estado, o Escola Digna, que já reformou ou reconstruiu mais de 600 escolas em nosso estado. 

Outras 300 novas escolas estão sendo construídas, inclusive substituindo antigas escolas de taipa, símbolo máximo do descaso a que foi relegado o estado por poucas famílias que o controlavam para seus luxos, deleites e privilégios. Antes, os estudantes maranhenses do ensino médio só conheciam escolas de tempo integral pela televisão, vendo imagens de outros estados, e hoje temos 19 já entregues e outras em implantação.

Em infraestrutura, estamos construindo ou recuperando 2 mil quilômetros de asfalto em estradas estaduais e vias urbanas. São obras em todo canto, em todo lugar, que beneficiam todos os maranhenses, enquanto que no antigo regime vigoravam convênios eleitoreiros que escravizavam os municípios.

Com o Plano Mais IDH, estamos atuando nos 30 municípios mais pobres do estado, para garantir que justamente os que mais precisam recebam os benefícios do Governo do Estado. Estive sexta-feira em um desses municípios e uma professora disse que, antes, governador só aparecia lá em tempo de campanha eleitoral, quando ia.

Em órgãos como o VIVA, o PROCON, os restaurantes populares, a comparação mostra que fizemos mais unidades do que todos os outros governos somados, levando serviços essenciais para perto das casas das pessoas.

Certamente, muito ainda há o que fazer. Não se vira uma página de 50 anos de descaso de uma só vez. É necessário o esforço coletivo de quem acredita na transformação do nosso estado. De quem tem fé que o Maranhão pode ser do tamanho que merece. 

Gigante pela própria natureza e, principalmente, pela força de um povo que lutou décadas contra o atraso, e agora finalmente dá passos firmes em direção a um futuro melhor.

Governo do Estado e Prefeitura de São Luís anunciam obras do "Mais Asfalto" no João Paulo

Júlio Pinheiro fala sobre ações da Prefeitura
Fortalecendo a parceria Governo e Prefeitura de São Luís, nas ações de pavimentação das ruas e avenidas, foi confirmada mais uma etapa do programa 'Mais Asfalto' no bairro João Paulo, na manhã deste sábado (19). 
Junto à comitiva de secretários de Estado, o vice- prefeito Júlio Pinheiro e o presidente da Agência Executiva Metropolitana (Agem), Pedro Lucas Fernandes, anunciaram o início dos serviços que contemplam diversas ruas de um dos mais populosos e tradicionais bairros, além de importante ponto do comércio atacadista da capital.
No conjunto de ações do programa estão serviços de recapeamento com a colocação de asfalto novo nas Rua Riachuelo, que agrega diversos pontos de comércio, e a Avenida São Marçal, histórica via de promoção da cultura no período junino.
"A obra marca mais uma etapa deste importante programa que tem como característica a ação parceria da gestão estadual e municipal. Para nós é uma satisfação poder contemplar um dos mais antigos bairros de São Luís, trazendo o desenvolvimento e infraestrutura para esta comunidade", pontuou o vice-prefeito Julio Pinheiro, que esteve no evento representando o prefeito Edivaldo.
O 'Mais Asfalto' é uma das ações destacadas da gestão, que iniciou com o propósito de garantir mobilidade e se fortaleceu. "Hoje vemos os resultados com milhares de quilômetros de ruas sendo melhoradas. É um momento importante da história da capital onde ações importantes à população são pactuadas transformando a realidade de milhares de pessoas e melhorando a cidade", completou Julio Pinheiro.
A obra será intensificada para que o mais breve possível as ruas totalmente revitalizadas sejam entregues à população da capital, reforçou o presidente da Agência Executiva Metropolitana (Agem), Pedro Lucas Fernandes, que representou o governador Flávio Dino. "Este é um dos compromissos do Governo na parceria com os municípios reafirmando o trabalho de união. Uma parceria com resultados positivos, que vem dando certo e tem a população como maior beneficiada", reiterou.
O secretário municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp), Antônio Araújo, destacou a parceria em mais uma etapa do programa. "São os esforços reunidos para a melhoria das condições de tráfego e para garantir mais mobilidade urbana na capital. Além destas vias, o programa vai contemplar um conjunto de bairros em comunidades que demandam esta iniciativa de ação direta e resultados imediatos", afirmou. Os serviços iniciam nesta segunda-feira, na Avenida São Marçal.

Participaram ainda do evento o secretário municipal de Assuntos Políticos, Jota Pinto; secretário adjunto da Secap, Júlio França; os vereadores Antônio Garcês, Concita Pinto, Paulo Victor e Osmar Filho, que também é vice presidente da Câmara Municipal; a liderança comunitária Denerval Nunes; e a ex-jogadora de basquete, Iziane Castro.

sábado, 19 de agosto de 2017

Seminário reúne feras em São Luís para debater "Os Desafios da Comunicação nas Administrações Públicas"


São Luís do Maranhão sedia, nos dias 25 e 26 de agosto, o Seminário Os desafios da comunicação nas administrações públicas.

Promovido pelo Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, o evento tem como proposta extrair ensinamentos – dos acertos e, principalmente, dos erros - e refletir sobre as experiências em comunicação nos governos, levando em conta que esta frente é estratégica para qualquer administração pública.
O público alvo do Seminário são governadores e prefeitos, secretários de comunicação, jornalistas e assessores de várias prefeituras e governos estaduais. Uma rica oportunidade para sistematizar estas experiências e para impulsionar uma comunicação mais saudável no país.
Além do Barão de Itararé, realizador do Seminário, o evento conta com o apoio do Governo do Maranhão, da Fundação Mauricio Grabois, da Fundação Perseu Abramo, da Fundação Leonel Brizola - Alberto Pasqualini e do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC). O evento ocorre no Convento das Mercês (Rua da Palma, 502).
INSCRIÇÕES
As inscrições podem ser feitas até o dia 18 de agosto, sendo que o investimento é de R$ 200 e estudantes pagam a metade do valor (R$ 100). São 150 vagas disponíveis. Garanta a sua participação preenchendo o formulário ao fim desta página e realizando o pagamento pelos botões do PagSeguro.
PROGRAMAÇÃO
25 de agosto, sexta-feira, às 18 horas
Balanços e perspectivas
- Flávio Dino – governador do Maranhão (PCdoB);
- Edivaldo Holanda Júnior – prefeito de São Luís (PDT);
- Fernando Haddad – ex-prefeito de São Paulo (PT);
- Clécio Luis – prefeito de Macapá (Rede);
- Edmilson Rodrigues – ex-prefeito de Belém (Psol).
26 de agosto, sábado
9 horas - A força da Internet
- Renata Mielli – coordenadora geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC);
- Leandro Fortes – jornalista e diretor da agência de comunicação CobraCriada;
- Juan Pessoa – especialista em redes sociais;
- Renato Rovai – editor da Revista Fórum
13 horas - A radiodifusão pública e comunitária
- Tereza Cruvinel – jornalista e fundadora da Empresa Brasil de Comunicação (EBC)
- Ricardo Melo – ex-presidente da EBC;
- Laurindo Lalo Leal Filho – jornalista e professor aposentado da USP;
- Márcio Jerry – secretário de Comunicação do Maranhão e ex-diretor da Associação Brasileira de Rádios Comunitárias (Abraço);
16 horas - O papel das secretarias de comunicação
- Franklin Martins – ex-ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República;
- Altamiro Borges – presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé;
- Sandra Recalde - Comunicação da Prefeitura de Maricá (RJ);
- Robinson Almeida – ex-secretário de Comunicação do governo da Bahia e deputado federal (PT-BA);

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

No Brasil já são 26,3 milhões de brasileiros sem emprego

A maior demonstração de que o impeachment contra o mandato da presidenta Dilma Rousseff foi um golpe contra o povo e a economia é o número de desempregados no país. 

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada nesta quinta-feira (17) pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE), o país encerrou o segundo trimestre do ano com 26,3 milhões de trabalhadores desempregados.

Por Dayane Santos

Os desempregados brasileiros equivalem ao número de habitantes de Angola, que é 24,3 milhões, e é superior à população do Chile (18 milhões), Bolívia (11,4 milhões), Cuba (11,2 milhões) e Portugal (10,3 milhões).

A taxa, que é de 23,8%, leva em consideração a subutilização da força de trabalho e agrega os trabalhadores desempregados, aqueles que estão subocupados (por poucas horas trabalhadas) e os que fazem parte da força de trabalho potencial (não estão procurando emprego).

Segundo o IBGE, a taxa teve uma queda de apenas 0,3% em relação ao trimestre anterior. Em julho foram divulgados os resultados da Pnad Contínua que mostraram uma taxa de desemprego de 13%.

Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Dieese, lembrou que a taxa de desocupação ficou em 13,7% no primeiro trimestre deste ano, e em 13% no segundo, sendo a primeira queda estatisticamente significativa desde 2014.

“O travamento da economia torna a situação de desemprego duradoura”, frisou Clemente, destacando que o tempo médio de procura por trabalho do brasileiro é de 60 semanas na Região Metropolitana de Salvador, 43 semanas na Região Metropolitana de São Paulo e 37 semanas na Região Metropolitana de Porto Alegre.

De acordo com a pesquisa do IBGE, quando é feita a análise dos dados por região, verifica-se que o Nordeste foi a região na qual o numero de desempregados aumentou. Pernambuco (18,8%) e Alagoas (17,8%) registraram as maiores taxas de desocupação no segundo trimestre de 2017 frente ao trimestre anterior.

“Em resumo, o desemprego estaciona, mas em elevados patamares, deixando como resultado o desalento diante de extenso e tortuoso tempo de procura para encontrar vagas precárias no setor informal [autônomos e assalariados sem carteira]”, explica o economista.

Segundo ele, o ritmo de fechamento de postos de trabalho diminuiu no primeiro semestre de 2017, com a economia no fundo do poço, após uma queda de mais de 9% do PIB per capita e mais de 14 milhões de desempregados, segundo o IBGE.

Domésticos

Ainda de acordo com a pesquisa, a população ocupada no segundo trimestre de 2017, estimada em 90,2 milhões de pessoas, possuía 68,0% de empregados (incluindo domésticos), 4,6% de empregadores, 24,9% de pessoas que trabalharam por conta própria e 2,4% de trabalhadores familiares auxiliares.

Nas regiões Norte (31,8%) e Nordeste (29,8%), onde se registrou o maior índice de desempregados, o percentual de trabalhadores por conta própria era superior ao das demais regiões.

No segundo trimestre, 75,8% dos empregados do setor privado tinham carteira de trabalho assinada. Novamente, as regiões Nordeste (60,8%) e Norte (59,0%) tinham os menores índices.

Entre os trabalhadores domésticos, a pesquisa mostrou que 30,6% deles tinham carteira de trabalho assinada. No mesmo trimestre de 2016, essa proporção havia sido de 33,2%.

Efeito da reforma trabalhista

Como efeito direto da reforma trabalhista, que entra em vigor em novembro, o mercado de trabalho, já debilitado pela recessão econômica, será impactado pelas novas regras de contratação que precarizam o trabalho e reduzem direitos e devem elevar o número de subempregados.

“Os trabalhadores serão ainda mais pressionados pelo desemprego e, desesperados, submetidos à ‘livre escolha’ de aceitar os novos postos de trabalho precários, abrindo ‘livremente’ mão dos direitos”, salienta Clemente.


Fonte: Portal Vermelho

6° Encontro Nacional de Prostitutas acontece em São Luís (MA) no Mês de Setembro

São Luís vai sediar o 6º Encontro Nacional de Prostitutas entre 21 e 23 de setembro, no Convento das Mercês. 

Durante os três dias de realização do encontro serão debatidos diversos temas com representações nacionais, como a luta das trabalhadoras sexuais brasileiras na perspectiva do futuro.

O evento é promovido pela Associação de Prostitutas do Maranhão presidida por Maria de Jesus, também pela Rede Brasileira de Prostituas e ainda a Central Única de Trabalhadores e Trabalhadoras Sexuais. 

Representantes dos estados do Pará, Minas Gerais, Distrito Federal entre outras unidades da federação estarão em São Luís para debater a organização dos profissionais do sexo no país. 

A mesa de abertura será com o painel "30 anos de memórias, histórias e lutas das trabalhadoras sexuais", que homenageará Gabriela Leite. 

Uma representante do 'Museu do Sexo das Putas', de Minas Gerais, está confirmada na mesa que debaterá o Tema "Prostituição e cidades: Memórias e desafios contemporâneos". 

O documentário "Entre fronteiras", do Canal Futura será exibido no dia 22 de setembro. 

Ao longo do evento, várias Mesas Temáticas' serão realizadas, abordando sempre temas de interesse da classe, como, por exemplo, avanços e retrocessos legais, perspectivas do trabalho dos profissionais sexuais, e também direitos e legislação no Brasil.

A programação do evento será encerrada com uma 'Puta Festa Maranhense de 30 Anos', após o desfile 'Grife Daspu', com trilha ao vivo do DJ Dolores. 

Fonte: Blog do Bóis

Em São Luís 'Concha Acústica' recebe apresentações de dança neste sábado (19)

Como parte da programação do ‘Mais Cultura e Turismo’, a Concha Acústica Reynaldo Faray será palco, neste sábado (19), a partir das 18h, do ‘Dança na Concha’, que vai oferecer vasta programação com diferentes estilos de dança, do Ballet Clássico ao Street Dance. 

A Concha Acústica Reynaldo Faray, que fica na área da Lagoa da Jansen, é um equipamento cultural vinculado a Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur).

A programação inclui apresentação de companhias, grupos, escolas e bailarinos independentes, a presença da bailarina maranhense, radicada na França, Anette Leite, e da bailarina de Caxias, Bruna Gaglianone, solista do Ballet Bolshoi, da Rússia, que fará uma noite de autógrafos.

“Nada mais justo, realizar um evento dedicado a dança, num espaço que leva o nome do professor Reynaldo Faray, bailarino e coreógrafo, dono de um grande legado! O “Dança na Concha” tem o objetivo de valorizar os dançarinos do nosso estado e o trabalho, por eles desenvolvido. Com certeza, será uma grande noite!”, declarou o diretor da Concha, René Amorim.

A maranhense Bruna Gaglianone pisou no palco do Teatro Bolshoi na Rússia em setembro de 2011, encerrando a carreira de estudante e marcando o início da vida profissional. A formação na escola sediada em Joinville influenciou para sua contratação na companhia russa, não apenas pela reconhecida técnica.

Bruna ainda se considera uma iniciante no mundo da dança, pois o tempo de carreira de um bailarino é em média de 20 anos. Com um histórico admirável e dois anos de trabalho, ela faz parte do corpo de baile do Bolshoi russo onde conquistou alguns papéis de solista.